“”Viagem Ao Inferno Do Coltán

O inferno está ao virar da esquina, no meio de um paraíso verde, porém não é descomplicado ter acesso a ele. No Congo não há nada descomplicado, contudo bem como não improvável. O dinheiro abre as portas da moradia do diabo. Nosso destino é a enorme mina de coltán de Rubaya, berço dos minerais que alimentam nossos celulares e tablets no primeiro mundo. No caminho que vai da cidade de Borracha para a área montanhosa de Masisi, onde está a pedreira, deparamo-nos com vários checkpoints de militares que pedem a tua mordida para poder transpor as barreiras.

Seguimos em frente por uma senda estreita e cheia de crateras. Nosso motorista, Olivier, atravessa poças, como lagoas com uma destreza impressionante. Tem braços de encaixe para mover o volante entre os erosão em que cabe o todo-o-terreno inteiro. Ao deixar para trás Borracha o horizonte cinza se torna verde, com colinas de pastagens que lembram a paisagem suíço. Só que isto é Congo, país com uma das terras mais férteis da África e onde, mas, a população passa mais fome. 3 horas depois, chegamos a Rubaya, pela província de Masisi, o ‘far west’ congolês.

O pó e a névoa cobrindo este ambiente de madeira e barro, ocasionando-o quase fantasmagórica. Eddy Mbuyi, o nosso guia pro coração das trevas. Como os povoados dos sites de busca de ouro no oeste americano, não há lei nem sequer ninguém da sua aplicação.

Todos buscam enriquecer ligeiro, no entanto muito poucos o conseguem. Milhões de pessoas trabalham diariamente nessa mina, parte a céu aberto, porção em profundas galerias. Era de domínio pública, até que os seus operadores agruparam-se em cooperativa para gerir melhor os seus recursos. Apesar de suas entranhas sai muito dinheiro, em Rubaya não há hospitais, nem ao menos escolas.

  • Burger King
  • Ser responsável por sucesso ou fracasso dos negócios
  • 48 h Os sindicatos maioritários, UGT e CC OO, aderiram à marcha dos taxistas
  • três Aviação 3.Um Hughes Aircraft
  • Chris Roberts, autor de Heavy Words Lightly Thrown: The Reason Behind the Rhyme
  • Quartel-General do Regimento, no comando de um Coronel
  • Instituição de Comando e Estado-Superior (com sede em San Isidro)

Nem luz ou eletricidade. Eddy explica que em data de chuvas, a montanha cai e engole com ela a diversos escravos. Fomos ao centro mineiro para solicitar a permissão que nos de acesso à exploração. Recebem-Nos os senhores do coltán, membros da referida cooperativa.

Os pillamos em plena festividade: uma vintena de homens, comendo carne com as mãos e bebendo cerveja como se não houvesse amanhã. As esposas sentadas discretamente em segundo plano, só observam. Começam as negociações pra tentar que nos deixem ir a apoio e fazer imagens. Entretanto ninguém se compromete.

há A todo o momento um chefe superior, o que consultar. Inocence, mineiro de dezesseis anos. Não se preocupam com a segurança, só lhes interessa receber dinheiro. No campo de refugiados de Rubaya, apoiado na Oxfam, vive na fração mais baixa da cadeia do coltán: os mineiros.

Não é difícil encontrá-los em Rubaya, onde a maioria da população trabalha pela investigação. Inocence, de origem ruandesa, se presta a gente como trabalha e em que condições vive. Entramos em sua moradia, um barraco de três metros quadrados de paus e plásticos, escoltados por um cortijo de meninas descalços. Inocence Quanto tempo demora em voltar à pedreira?